conversa

​O que é uma conversa? Conversamos apenas quando falamos algo? Uma troca em silêncio, uma percepção de um momento, pode ser considerada uma conversa? E por que quem escuta é dado, quase sempre, como sábio? Descubra tudo isso aqui neste artigo!

 

O que é uma conversa?

No dicionário, conversa é sinônimo de diálogo, que tem por definição uma troca de ideias, de informações ou de palavras. Mas será que conversamos apenas quando falamos algo? Uma troca em silêncio, uma percepção de um momento, pode ser considerada uma conversa? E por que quem escuta é dado, quase sempre, como sábio?

Em Seattle, nos Estados Unidos, há o lugar mais silencioso do mundo. Na sede da Microsoft, há uma espécie de estúdio, todo fechado, que pode chegar até a – 20 decibéis. Quem visita o espaço, relata que nos primeiros minutos, o silêncio absoluto faz com que você ouça as batidas do próprio coração e, depois de um tempo, os fluidos do seu corpo. Depois, há quem fique tonto ou enjoado. Não estamos – de forma alguma – acostumados a sentir e viver o silêncio.

O mundo tem, catalogados, mais de 6.000 idiomas. Seria possível falar todas as línguas? Pouco provável. Mas talvez seja possível se comunicar sempre, apesar das dificuldades da palavra. A conversa pode ser feita por gestos, por toques, olhares, reações. Mas é preciso perceber e estar disposto.

Quando estamos em uma comunidade, seja ela uma empresa, um bairro, uma cidade ou um país, precisamos nos colocar à disposição da conversa. Ouvir o outro mais que com os ouvidos, mas com a intuição, a análise dos fatos, os registros da memória. No background de uma palavra, há milhares de ações. E quando conseguimos ouvir de verdade, nos tornamos mais sábios. A boca pode até mentir, mas as atitudes provam a verdade. Você prefere ouvir palavras ou ações?

A parte mais inferior do nosso cérebro, por exemplo, é responsável pelos impulsos, pelas reações mais imediatas. Imagine então que você chega faminto a um evento e o anfitrião pergunta se você está com muita fome. Você, querendo ser educado, fala que não, que está tudo bem. Mas assim que chega a comida, você devora com rapidez e satisfação. As suas palavras podem ter tentado enganar, mas se o anfitrião realmente te ouviu, ele entendeu o que o seu corpo respondeu.

O mesmo acontece em reuniões de trabalho. Quando vamos delegar o trabalho à equipe, não importa se um colega afirma que está pronto para produzir tal atividade, se o corpo dele se defende – braços cruzados, pernas balançando etc – ele está falando de outra forma que está inseguro ou receoso.

Que tipo de pessoa você quer ser: a que escuta com os ouvidos ou a que ouve e entende com olhos, boca, braços, pernas e coração?

Via: https://www.ieneagrama.com.br

Comentários no Facebook